PF aponta ‘evidências robustas’ de caixa 2 da Odebrecht a Renan Calheiros

A Polícia Federal afirmou que há “evidências robustas” de que o senador Renan Calheiros (MDB-AL) recebeu doações via caixa 2 da empreiteira Odebrecht nas eleições de 2010. A afirmação consta do resultado de inquérito concluído e encaminhado ao STF (Supremo Tribunal Federal).

“Encontrando-se presentes indícios suficientes de que o senador José Renan Vasconcelos Calheiros cometeu o crime previsto no art: 350 do Código Eleitoral, na modalidade ‘Caixa 2″, declarou a delegada da Polícia Federal Rejane Nowicki.

As investigações mostram que o senador recebeu R$ 500 mil em doações da Odebrecht nas eleições de 2010. O repasse foi viabilizado por 1 doleiro da empreiteira. Renan teria recebido o dinheiro em 1 hotel de Maceió. De acordo com a PF, o valor foi pagado em duas parcelas de R$ 250 mil, repassados de 20 de agosto a 15 de setembro de 2010.

A Odebrecht pretendia manter boa relação com o senador e obter benefícios. No sistema da empresa, menções a Renan apareciam com o codinome “Justiça”.

O ministro do STF Marco Aurélio Mello, relator do caso, irá receber as conclusões da PF. Ele deve encaminhar o inquérito para a PGR (Procuradoria Geral da República). O órgão irá decidir se irá arquivar o caso, pedir mais investigações, ou denunciar o senador à Corte.

Defesa
A assessoria de Renan Calheiros afirmou que as contas do senador foram auditadas e aprovadas. “Não há indícios de irregularidades e os próprios delatores negaram os repasses como Caixa 2. Não há nessa investigação, assim como nas mais de 2/3 já arquivadas, nenhuma prova. Tanto que depois de anos de investigação falam em ‘indícios’ de irregularidade. Mesmo assim, mais uma vez, a notícia é dada pela óptica dos investigadores”, afirmaram, por meio de nota.

Deixe seu comentário